A evolução do mercado de UX durante a Pandemia

6 mins read

 Peter Howard Wertheim e Dayse Abrantes


A pandemia (Covid-19) impulsionou fortemente o trabalho remoto em home office e não foi diferente para o mercado de UX, devido às consequências desastrosas que afetam milhões de pessoas no mundo e estão modificando as relações sociais.

UX significa User Experience, ou Experiência do Usuário, em português. Essa é uma estratégia cujas ações buscam não só entregar o melhor conteúdo, como também garantir que ele seja consumido da forma mais agradável possível. UX é toda relação que uma pessoa tem com um produto ou serviçoEm um site, o UX passa por um design responsivo, organizado e intuitivo.

Com as políticas de isolamento social adotadas internacionalmente, surgiu uma grande demanda por serviços tecnológicos. As equipes de design em todo o mundo estão enfrentando novos desafios de UI (User Interface) e UX que devem ser conquistados para criar um produto que atenda às necessidades em evolução de um público cada vez maior.

Você não pode conseguir o que quer sem dar aos seus clientes o que eles querem,” diz Andrew Kucheriavy, fundador e CEO da Intechnic, uma agência líder em design de web com localizações e clientela na América do Norte, Europa e Austrália. Fonte: @ky4ep | Twitter


De repente, os idosos passaram a ter apenas meios digitais para realizar suas tarefas diárias, que vão desde o estoque da casa até as transações bancárias. Eventualmente, até mesmo trabalhando remotamente pela primeira vez.

Antes da pandemia, essas pessoas podiam recorrer a parentes, vizinhos ou especialistas em computação para ajudá-los. Mas com a circulação restrita e o isolamento absoluto como grupo de risco, eles estão por conta própria na missão de se digitalizar o desafio de uma boa UX: tornar a experiência digital o mais fluida possível para diferentes públicos.

Jakob Nielsen (é um consultor de usabilidade da web dinamarquês. Ele possui um Ph.D. em interação humano-computador da Universidade Técnica da Dinamarca em Copenhagen)
Link: https://www.mjvinnovation.com/blog/ux-in-the-post-digital-era/

Pesquisas dão um Raio-X do mercado remoto UX

A empresa EnjoyHQ realizou uma pesquisa com 215 pessoas, 43% vieram de empresas com mais de 1.000 funcionários, 35% vieram de empresas com 50 a 500 funcionários e 20% estavam em empresas com 50 ou menos funcionários.

A maioria dos entrevistados (64%) possuía o título de Pesquisador de UX. Cerca de 17% dos entrevistados eram designers, 4% eram gerentes de produto e 13% eram um punhado de funções, incluindo arquitetos de UX, designers de UX, consultores de UX, diretores e gerentes de UX, design de interação (IXD), estratégia de produto, suporte da comunidade, engenheiros de fatores humanos, recrutadores de pesquisa, sucesso do cliente e gerentes e coordenadores de pesquisa.

Considerando o feedback sobre as perguntas abertas, EnjoyHQ disse que ficou surpreso ao ver que impressionantes  40% dos entrevistados da pesquisa não trabalhavam remotamenteantes da crise do COVID-19.

Muitas pessoas (grande parte dos 13% que responderam “Outro” à questão de trabalhar remotamente antes da crise) e compartilharam que trabalharam remotamente conforme necessário ou apenas ocasionalmente antes dos pedidos de permanência em casa entrarem em vigor.

Cerca de 21% dos entrevistados compartilharam que trabalharam remotamente por um tempo, e 31% trabalharam remotamente alguns dias por semana.

Home Office- O novo normal

(Ilustrações de “ https://www.openpeeps.com/ ” criadas por “Pablo Stanley” e personalizadas no Figma usando Blush)

 

As empresas terão que melhorar continuamente suas políticas de trabalho remoto e aceitar a nova realidade.

É necessário que cada equipe trabalhe em um ecossistema eficiente e inclusivo para cumprir os requisitos e metas do negócio.

Temos visto uma evolução exponencial de tecnologias como por exemplo: Microsoft Teams, Google Meet e até mesmo o Zoom que atendem as necessidades dos profissionais de UX e da empresa como um todo.

A The bridge trabalha com talentos UX, digital e T.I. de forma remota desde o seu início há 4 anos, recrutando a nível global para empresas como Uber, Itaú e Santander

www.TheBridge.social”

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.