Na marra a gente se adapta, sempre…

11 mins read

Esperava-se que o isolamento social, frutos da crise do Covid19, trouxesse profundas transformações no mundo como o conhecemos. Ou devemos dizer, como conhecíamos?

Foram necessárias apenas algumas semanas para a sociedade ter de lidar com mudanças drásticas na maneira como empresas e cidadãos vivem e trabalham, e como nos relacionamos. 

Mas, é deveras, impressionante como nós, seres humanos, somos capazes de nos adaptar a mudanças radicais, de maneira rápida.

O desenvolvimento de um novo olhar sobre os desafios empresariais, levando em conta fatores humanos, e o impacto que sua estratégia terá na nova economia, na sua indústria e em seu consumidor, não é fácil. Mas, entender que não estamos sozinhos ao enfrentar esta nova era, e procurar parceiros e conexões que o ajudarão a elevar sua estratégia empresarial a um outro patamar, pode ser significativo nesta nova era.

Porém, quanto mais tempo ficarmos confinados, mais difícil será para as coisas voltarem a ser como antes, se é que voltarão por completo, pois o comportamento do consumidor mudou, até novos mercados aparecem e muitas indústrias se consolidam.

Um novo conjunto de normas sociais surgiu em decorrência deste novo panorama. Durante esse período estranho, algumas empresas prosperam e avançam com um sucesso acelerado, pois já estavam, de certa forma, através de uma cultura de gerenciamento ágil, tornando sua empresa adaptativa, enquanto outras morrem, algumas continuam se esticando, através de um trabalho ágil, para encontrar uma saída em meio ao caos.

Não tem jeito. Todos estamos aprendendo, rápido e na marra, e vamos nos adaptar, a história comprova isso. Mas, até lá, teremos muitos altos e baixos, assim como, incerteza econômica.

Os próximos anos serão moldados pela crise atual.

Lembra de quando um aperto de mão era a forma padrão de saudação? Até onde podemos nos lembrar, o aperto de mão tem sido usado como uma maneira de transmitir confiança, e até fechar negócios. Porém, em meio a atual crise global de saúde, esta forma padrão de cumprimento foi questionada.

A chamada “low touch economy”, termo pautado pelo “Board of Innovation, vai muito além de propor uma mudança em relação ao nosso modo padrão de cumprimentar. 

Podemos esperar que novos comportamentos sejam capazes de impulsionar mudanças que também causem impactos de curto e longo prazo nos consumidores e na economia.

 

Contribuições para Low Touch Economy Impacto em Comportamentos Sociais Impactos Esperados na Economia.
Regulações sobre distanciamento social Precauções de modo a evitar contatos físicos Negócios passam por mudanças forçadas
Lockdowns temporários Ansiedade de lugares fechados. Divisão entre profissionais essenciais e os não essenciais
Restrições de Viagem Evitar aglomerações e grupos grandes. Consequências em curto e longo prazo.
Novos Guias de Higiene Mudança para o digital em nossas atividades pessoais e profissionais

 

Short and long-term impacts on consumers and the economy

Haverá ainda muitas tentativas para que alcancemos uma solução concreta para esse novo desafio que estamos enfrentando, cientes de que nossos governos terão um longo caminho até nos recuperarmos de fato desta “nova crise mundial”.

Enquanto isso, quais medidas devem ser tomadas pelas empresas?

A economia precisará improvisar, de modo que as empresas, tanto grandes quanto pequenas, possam manter-se firmes durante esta crise. Para que isto seja possível, será necessário repensarmos bem os métodos tradicionais e redesenhar a proposta de valor praticada por empresas a seus  consumidores. 

Se este novo momento exige improvisação para manter a satisfação do cliente e do novo mercado, empresas precisam adotar um processo de inovação, produzir algo novo, e transformar a gestão tradicional em uma gestão que promova uma tomada de decisão rápida e assertiva, indo além da adesão de metodologia ágil, mas, de forma abrangente buscar uma transformação do modelo de negócios.

Caso você não saiba por onde começar, alguns conselhos de inovação ao redor do globo desenvolveram  planos que podem ajudar a construir uma estratégia executável. 

1 – AVALIAR O IMPACTO

Não foque todas as suas atenções em previsões sobre incertezas. Comece analisando com atenção todas as maneiras pelas quais seus negócios sentiram o efeito da economia. Em seguida, busque entender o impacto que essas mudanças tiveram na cadeia de suprimentos, no setor, nos consumidores e, finalmente, na sociedade em geral.

2 – DESENVOLVA A ESTRATÉGIA 

A história se repete. Comece entendendo como as crises econômicas semelhantes ocorreram no passado no seu setor e, em seguida, use esses aprendizados para visualizar os muitos cenários em potencial que podem ocorrer no contexto atual. Pergunte a si mesmo: o que preciso fazer para crescer em cada um desses cenários e em quais aspectos do meu portfólio devo me basear?”. 

A estrutura abaixo do Board of Innovation pode ajudá-lo no desenvolvimento desses cenários futuros e, deste modo, ter ponto de partida para suas estratégias.

Low Touch Economy framework

 

3 – ESTEJA PRONTO PARA CONTRA ATACAR

Percebemos que há muita pressão para mitigar os riscos, porém, a recomendação é que você comece a planejar a próxima fase, mas não pare. Muitas das indústrias que se mantiveram estáveis ​​por décadas estão agora abertas a mudanças. E,  apenas os players que possuem capacidade ágil de decisão vencerão. Pergunte-se: Quais decisões rápidas você é capaz de tomar atualmente? Como conseguiria preencher seu pipeline de inovação? Como é o seu roteiro de fusões e aquisições para capturar o crescimento não orgânico no mercado? O que você pode executar agora?

4 – FAÇA ACONTECER

Questione todas as normas e modelos comerciais anteriores. Tente uma maneira mais ágil de trabalhar executando sprints semanais com suas equipes remotas, inicie uma nova proposição ou modelo de negócios, contrate um líder com habilidades necessárias para executar seu plano estratégico de crescimento, diminua a hierarquia para tomar decisões.

A incerteza permanecerá, mas as oportunidades também.

Ninguém pode prever o futuro, muito menos agora, apenas podemos nos preparar para ele, será? 

É preciso mapear vários cenários – o bom, o ruim e o muito ruim, enquanto isso, conduza em direção ao que tem maior probabilidade de ocorrer.

Lembre-se que a mudança de hábitos dentro da Low Touch Economy continuarão crescendo e se consolidando, especialmente quando nos preparamos para as próximas ondas de incerteza (por exemplo, aquecimento global, guerra de preços do petróleo, ascensão do nacionalismo, uma recessão iminente). Entenda que ter uma documentação abrangente e estratégia de governança levando em conta o ESG, tornará sua organização mais preparada para este novo mercado.

E, se essa crise nos ensinou alguma coisa, é que mesmo nos momentos mais sombrios, quando somos forçados a deixar de nos conectar com nosso próximo – os seres humanos são resilientes, e o mundo sempre encontrará uma maneira de voltar a brilhar.

É tempo de construirmos um mercado de “coopetição”, desenvolver empatia, e utilizar de estratégias que transformam para a construção de organizações mais adaptativas e profissionais ágeis e resilientes. 

 

O que você já fez para vencer este obstáculo?

 

Por Renato Castro – Fundador da Plataforma ET.

*Texto adaptado do original “Board of innovation”.

 

 

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.