Home Notícias Rafael Kiso: 9 tendências para o marketing de influência

Rafael Kiso: 9 tendências para o marketing de influência

Tendências para os próximos meses para o Marketing de Influência.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

1) As marcas precisam equilibrar a autenticidade dos nano influenciadores com o alcance dos micro. A aposta será maior nesses dois tipos.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

2) As marcas irão diminuir os “enviados/recebidos” e começar a trabalhar com contratos de longo prazo, tornando os influenciadores parte do processo de criação.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

3) As marcas irão preferir influenciadores que sabem trabalhar com vídeos através dos canais sociais, explorando os melhores formatos de cada plataforma.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

4) O Instagram é atualmente a rede social escolhida pelos influenciadores. Isso significa que o time de produtos do Insta investirá em uma série de funcionalidades para abraçar o marketing de influência.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

5) O IGTV irá continuar crescendo e deve se tornar um dos principais formatos de conteúdo. A maioria dos influenciadores irá adequar sua quantidade de stories e reservar o conteúdo mais longo para o IGTV.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

6) Neste ano de 2019 seu para perceber que o número de followers e likes não importam muito quando o assunto é marketing de influência. As marcas irão escolher os influenciadores cada vez mais pelas métricas de relevância conforme meu post sobre o “DNA do Bom Influenciador”.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

7) Muitos dos influenciadores são referenciados como pessoas públicas ou personalidades, porém, eles tendem a se profissionalizar e se tornar empresas. Isso tudo pela pressão do mercado por profissionalismo e adequação fiscal.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

8) Em alguns mercados internacionais, como nos EUA, já há legislação para o marketing de influência. Uma das coisas que deve ser tornar norma é a indicação de conteúdo patrocinado ou publieditorial por parte dos influenciadores.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

9) A Unilever já deixou claro que nunca mais trabalhará com influenciadores que tiverem seguidores falsos. As marcas devem começar a seguir o exemplo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here