Home Notícias Porque startups podem anabolizar sua inovação

Porque startups podem anabolizar sua inovação

250
0

Indústria da inovação não é um conceito usual. Inovação costuma associar-se a rompantes de disrupção fora da caixa, soluços de genialidade, um conta-gotas esporádico que pinga novidades aqui e acolá, ao léo.

Mas indústria da inovação pressupõe uma rede interligada que une academia, empresas, empreendedores, investidores, startups e Governo, num círculo virtuoso com sequência ininterrupta e perene, onde o novo deixa de ser raro para virar corriqueiro. Vide Califórnia.

No Brasil, ano após ano nestes últimos dez, aos poucos mas com teimosia inequívoca, temos testemunhado também aqui a construção dessa mesma nova indústria tijolo a tijolo, com cada uma das peças compondo o quebra-cabeças da tão almejada prosperidade do fomento.

Em que pese ser um quadro ainda desigual, enfim, é um quadro.

Temos o Governo em todas as suas instâncias. Longe de modelo exemplar, joga o jogo para cumprir tabela. Mas joga. A academia faz como pode, notadamente em alguns polos no Sul, Sudeste e Nordeste do País. Não tira notas máximas nas provas, mas passa de ano raspando. Os investidores se diversificam em tamanho, modelos de negócio e expertise. A chegada de fundos de venture capital e private equity contamina a cadeia com o mais que saudável vírus da internacionalidade. Anjos do Brasil, ABStartup e todas as aceleradoras fomentam a base da pirâmide. Endeavor é um exemplo de excelência world class. Iniciativas como StartSe ajudam a criar um futuro marketplace online e em tempo real, em que os investimentos se farão em bolsas de valores virtuais.

E há o recém-inaugurado corporate venture. São as empresas indo em busca da inovação através da colaboração das startups. E isso está acontecendo porque inovação não é mais o tal conta-gotas e não pode mais estar tão somente guardada a sete chaves dentro dos muros das empresas e seus departamentos de R&D. Não mais.

Apenas a inovação aberta, fomentada pela cadeia que descrevi acima, é hoje capaz de dar conta do recado de gerar ideias novas e projetos disruptivos na qualidade e na velocidade que o mundo atual exige. Isso é a Indústria da Inovação. Uma indústria sem sede, nem comando central, com filiais em cada garagem do País.

Curioso observar que mesmo com o País em crise recessiva, as iniciativas nessa área não param.

E também aqui há uma razão para que seja assim: fomentar startups é muito barato, em princípio, e pode render dividendos milionários tanto com a eventual otimização da cadeia produtiva, como na outra ponta, em novos produtos, novas soluções de negócios e, no final de tudo, em vendas.

Desculpe aqui a franqueza, mas não investir em startups é meio burro. Não faz sentido. Por mais que a empresa justifique-se alegando outras prioridades de momento, pouca coisa poderia de fato justificar a decisão estratégica e operacional de ter à mão recursos tão valiosos e poderosos para a solução de problemas a custos extremamente baixos e não lançar mão deles sob qualquer hipótese. Ainda mais em tempos bicudos como os que vivemos hoje no País.

Difícil discordar dessa lógica.

Por Pyr Marcondes

Previous articleA loja sem ponto de venda ou o comércio eletrônico on the go
Next articleVideo: Acompanhe cada passo do seu público na web: é totalmente possível
Pyr Marcondes é jornalista, consultor e autor. Foi repórter da revista IstoÉ, Jornal da Tarde e Playboy. Foi diretor editorial para o Grupo Meio & Mensagem desde a década de 90. Foi Sócio e Diretor de Criação na agência de publicidade Grottera & Cia. (TBWA) durante 10 anos. Foi Country Manager do portal StarMedia no Brasil. Co-fundador e CEO da Digital Strategy, consultoria pioneira em marketing e comunicação digital no País. Co-Fundador e Diretor de Marketing da FUN Generation, empresa de mobile marketing. Co-Fundador e Diretor da Superbrands Brasil (2005/2009). Consultor adjunto da BrandFinance, consultoria de marcas inglesa (2004/2005). Foi Diretor-Geral da Plataforma Proxxima, de marketing e comunicação digital do Grupo M&M. É hoje Diretor Geral da M&M Consulting, empresa de consultoria e negócios para a indústria do marketing digital. Pyr Marcondes é autor de inúmeros livros sobre história da propaganda e sobre marcas. É hoje referência na indústria digital brasileira. É palestrante, membro de conselhos e consultor.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here