Home Notícias Artigos NRF 2016 – terceiro dia

NRF 2016 – terceiro dia

511
0

Amigos, a feira tem muito conteúdo a explorar e cada um leva uma parte para casa. Compartilho um pouco do meu terceiro dia aqui na NRF 2016.

Se eu fosse resumir o que levo para casa, diria:

“Disruptura…pense fora da caixa formas disruptivas de desafiar seu negócio, mantendo relevância ao consumidor, agora ele passou a ser o canal de interação“

Ao abrir o evento, a National Retail Federation (NRF) compartilhou seu ponto de vista colocando a evolução de como lidar com os canais multichannel, omnichannel e agora distributed commerce. Enfatizam que devemos buscar formas disruptivas de desafiar nossos próprios negócios constantemente, pois o consumidor passa a ser o ponto-de-venda. O processo de compra tem que ser sem fricção. Temos que criar relevância, onde paixão passa a ser a nova moeda! Para isso, uso de insights analíticos para efetivamente dar algum significado aos contatos com o consumidor. Gostei da frase: “Pense fora da caixa e compartilhe!!”

AAEAAQAAAAAAAAXpAAAAJGM1YjVkZGRjLTJhMWMtNDc4OS04ZmQ4LWQ2YTdlYmEwYzQ2MQ

Logo na sequência, a key note session da American Express foi muito legal ao ouvirmos o CEO enfatizar que precisamos nos preparar para canibalizar nosso próprio negócio antes que alguém o faça, inovar ou morrer e abraçar a Transformação Digital. No caso, gerar relevância, mobilidade e capacidade analítica são os pilares de como gerar serviços que os diferenciem. Lembrando que tem que ter integridade das informações do on-line e off-line como premissa. Ao falar de mobile payment, o CEO enfatiza que o relevante não é o tempo de pagamento e sim o valor que pode ser oferecer ao consumidor.

Na sequência, fui a um painel sobre futuro dos meios de pagamentos que havia Mastercard, FreshDirect, Khols e Google. O curioso é que o foco não era qual meio ou plataforma prevalecia no mercado. Mas sim como revisar os processos de compras, em todos canais, e como gerar o mínimo de fricção em cada um deles. Ponto de atenção aqui do ponto de vista do varejista vs o da sessão anterior, zero ou mínimo de fricção tem muito a ver com tempo do processo de compra e consequentemente do pagamento. Pensando no processo fim-a-fim, mesmo entre os canais digitais (desktop e mobile) o que de fato é relevante ao consumidor e o que é diferente em cada um deles? Pense nisso, pode não ser sutil, por exemplo: a Fresh Direct citou que pode haver diferenças em onde colocar as receitas de comida! Se lembrarmos como a Fairway Market fez o app mobile, entendemos a complexidade de escolha no processo de compra numa tela pequena! Mobile First enfatizou a Fresh Direct. A Khols se mostrou muito preocupada com consistência do omnichannel, muito parecida com a preocupação em métricas que a Home Depot tinha relatado no dia anterior.

AAEAAQAAAAAAAAPHAAAAJDk3MWE2OWRiLWQ2NjUtNDU0ZS1iZTJjLTlhYmVmODg5MDU3Mw

Outra apresentação foi a de Varejo 2025, baseada em uma pesquisa da IBM comparando vários varejistas do mundo quanto suas capacidades de omnichannel. Alguns números chamaram a atenção:

65% dos executivos nível C das indústrias de Varejo e de Bens de Consumo consideram como principal preocupação a convergência das indústrias.
69% dos executivos afirmam que o consumidor demanda mais experiências personalizadas.
91% acreditam que capacidade cognitiva vai ter um papel desruptivo no Varejo.

Foi reforçado que o consumidor passar ser visto como “o” canal, onde a personalização exigirá capacidades cognitiva e agilidade em otimizar as atividades fora do ciclo da venda, para que efetivamente se financie inovação ao consumidor.

Não pude mais ver palestras, estive no Booth IBM. Aproveitei e fiz um apanhado dos highlights da tarde. Uma das apresentações a mensagem capturada era a respeito da Terceira onda do Varejo. Onde o Varejista tem que ser é BBB! – “Better, Better and Better!”. Ser melhor em customer experience, em logística e vários outros aspectos para se diferenciar!

Outra caso interessante foi o app de fitness da Under armor com 160 milhões perfis cadastrados. Este app faz uso de capacidade cognitiva para personalizar o acompanhamento de ginástica e saúde de forma integrada e associado a dispositivos wearables da própria Under Armour (HealthBox).

AAEAAQAAAAAAAATeAAAAJGZjNWIwNDM2LTU1ZGMtNGFmYy1hYWRjLWE5M2IwOGRjMzU5Yw

Passei a tarde no Booth da IBM. Vou compartilhar alguns dos temas que priorizamos nas demonstrações. Os cenários principais puxavam o cliente com o único canal, como personalizar dinamicamente a interação no físico e digital com entendimento de seu estilo de vida, através de computação cognitiva (Watson). No segundo cenário, como ser ágil em responder a efeitos locais (como: preferência, eventos, tempo) e trazer maior eficiência ao Varejista. Eficiência poderia ser desde mão-de-obra ou até mesmo de alocação de produtos.

AAEAAQAAAAAAAASHAAAAJGI5ZDBhZGE3LWY0NzMtNDc5Yi1iNTJkLWQ2ODA2Mzc5N2MxMQ

Expomos também cases interessantes de aprimoramento de experiência do consumidor em loja. Um dos casos é o da Game Stop Technology Institute, Lab de inovação da Game Stop, que criou um app mobile para o vendedor saber as preferências do consumidor ao ser identificado com sensores de presença em loja. A Game Stop utiliza a plataforma Bluemix para agilizar o desenvolvimento interno de app mobile em parceria com universidades.

Outro caso é do Fung Group Explorium que está explorando como consumidores se comportam com novas tecnologias, produtos e ambientes de lojas. Faz uso de sensores de presença espalhados nas lojas captando os sinais das pulseras dos consumdores e explorando a capacidade de insights analíticos.

AAEAAQAAAAAAAAUOAAAAJDU1ODAwMzUwLTdmNWQtNDQ4NS1iZThiLTJlYTMwZTliNDMxYQ

Watson é a unidade de negócios responsável pelas soluções de computação cognitiva da IBM, havia algumas demonstrações sobre o Ecossistema Watson com parceiros explorando casos reais. Como o da Statsocial, que aumenta sua capacidade de interação com os consumidores através de insights de personalidade a partir de textos publicados em mídias sociais. Já possui uma base de mais de 600 milhões de perfis.

Outro caso é a Wine4me, um app mobile para quem curte vinhos, explora algorítmos cogntivos para fazer um balancemento de atributos de um vinho priorizados pelo consumidor e a partir deles trazer recomendações mais assertivas.

AAEAAQAAAAAAAARGAAAAJGI2MjhlMjc1LWUxZjUtNDkxZi1hNjA4LTk3ZDcwZTA2OWI0OQ

Durante a NRF, a IBM fez o anúncio da sua solução de Dynamic Pricing para gerar mais resultados em margem de vendas através de uma estratégia de precificação com mais agilidade e frequência no online.

A demonstração de Demand Insight me chamou a atenção por incrementar a assertividade de modelos existentes de previsões de demanda, ao adicionar mais dados externos como tempo, eventos locais e mídia social. Recentemente a IBM comprou a Weather Company, conseguindo assim trabalhar com maior precisão os dados de tempo por localidade. Além disso, tem uma parceria mundial com a Twitter facilitando acesso a dados históricos.

AAEAAQAAAAAAAAbTAAAAJDJmNWJjNDZiLWRjYmEtNDU3Yi1hZjQ3LWFjM2Y5YTU2ZGRhZQ

Ufa… hoje é o último dia, vamos pegar as apresentações finais e passar em algumas lojas. Quinta-feira, compartilho mais um dia por aqui em Nova Iorque.

Previous articleAnálise preditiva para o seguro
Next articleNRF 2016 – último dia
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec euismod augue vitae mi pharetra fermentum. Vivamus aliquam pulvinar ultricies. Praesent quis condimentum sem. Duis condimentum erat ut urna porta, id luctus augue viverra. Nullam quam diam, rhoncus nec imperdiet ac, pulvinar id lectus. Suspendisse id accumsan est, sed ultrices urna. Vestibulum sed dictum augue. Nulla facilisi. Ut posuere convallis nisi, non bibendum ligula condimentum ac. Mauris vitae orci ut nisi dapibus vulputate. Maecenas nibh mi, cursus ultrices gravida nec, maximus quis justo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here