NOS PRÓXIMOS ANOS, AGÊNCIAS E GRUPOS DE MÍDIA PODEM ESTAR EXTINTOS

Por Pyr Marcondes | 12 Janeiro 2017

O debate que encerrou o evento ProXXIma X, realizado nos dias 09 e 10 de Maio no WTC/SP, apontou para um futuro incerto da indústria da comunicação como a conhecemos. Convidados a participar de uma reflexão sobre os próximos 10 anos do setor, Abel Reis, CEO da Dentsu Aegis Network e da Isobar Latam, Enor Paiano, Vice-Presidente Senior da IMS Latam, Marcelo Sant´Iago, sócio e CEO da MBreak consultoria e Romero Rodrigues, sócio do Red Point Eventures, compartilharam com a plateia suas respectivas visões sobre o desenvolvimento do setor nos próximos anos.

O ponto de vista que se destacou no encontro foi o de Abel Reis, que afirmou que em 10 anos os grupos de mídia e agências correm o risco de estarem extintos, pelo menos da maneira como conhecemos. Três fatores podem levar a esse cenário, segundo Abel: a pressão de desintermediação de agências e anunciantes oriunda principalmente de empresas como Google, Facebook e Twitter; o avanço de consultorias e empresas nativas digitais, como Accenture, Deloitte, IBM, Mckinsey e PWC, no mundo do marketing; e o fenômeno da automação e programática.

De um modo geral, as possíveis tendências que deverão se estabelecer como mainstream no mercado serão, na opinião dos debatedores, a consolidação e liderança do mobile como plataforma de interação e de comunicação, a automação crescente no marketing, a expansão da inteligência artificial para uso da indústria, a solidificação no Brasil do setor de fintech, o aprofundamento da presença de empresas de consultoria no âmbito hoje ocupado pelas agências de propaganda e a profunda transformações desses impactos no âmbito do marketing e da publicidade brasileiras.

“Costumo brincar que se soubesse o futuro, não contaria para ninguém (risos). No que vi do mobile, só estamos arranhando a superfície. A base de smartphones no Brasil vai passar de 30% para 70% em cinco anos”, disse Romero Rodrigues, da Red Point Eventures, ressaltando ainda que a ineficiência da economia brasileira – e latino-americana – será corrigida pela tecnologia e pelo mobile.

Brincando que sua única certeza é que 2026 será o ano do mobile, Marcelo Sant´Iago, ex-Media Math, apontou que a automação de processos no ambiente de mídia e negócios será uma tendência, tanto B2B quanto B2C. “A mídia programática será resolvida. Não existe mídia e mídia programática. Só muda a forma de comprar”. Para Enor Paiano, da IMS, o problema de conexão no Brasil já está resolvido e todos já sabem que o mundo é mobile. “Todos com um telefone na mão conectado o tempo todo é a realidade”, destaca.

“O mercado tem a trincheira da criatividade e pode reinventar rapidamente seu papel”, analisa Abel. “Acredito que as melhores agências daqui a 10 anos serão aquelas que sintetizem criatividade no conteúdo, capacidade de consultoria de negócios e competência no design de produtos e serviços”, complementa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

White Paper relacionado


Marketing

Como engajar consumidores com recomendações personalizadas em canais de marketing

Este estudo mostra de que forma anunciantes podem utilizar tecnologia para impulsionar recomendações e entregar experiências personalizadas   Coremetrics.pdf (477 downloads)

Artigos Relacionados