Home Notícias Artigos Machine Learning e o que isso tem a ver com Marketing

Machine Learning e o que isso tem a ver com Marketing

231
0

Há quem diga que Inteligência Artificial não é inteligência coisa nenhuma, porque a máquina reúne dados e mais dados, acumula soluções conhecidas a partir desses dados e vai fazendo isso de forma incremental, numa velocidade que os humanos não conseguem acompanhar, e ao final oferece resultados, que são outros dados (raciocínio indutivo), e até insights (raciocínio dedutivo). Mas a máquina não pensa. Usa algoritmos que reduzem a fórmulas concisas muito conhecimento aprendido. E isso, convenhamos, não é exatamente inteligência.

Mas enfim, deixando de lado questões conceituais, um pedaço importante da Inteligência Artificial é exatamente essa capacidade que as máquinas passam a ter de “aprender” coisas. Na verdade, as máquinas “deduzem” coisas a partir dos dados com que são alimentadas. A isso se chama Learning Machine. Permitida pelos algoritmos.

E onde o marketing entra na história? Pela porta do uso dessa capacidade dedutiva para melhorar sua performance, seja em campanhas, seja na geração de insights estratégicos.

Máquinas conseguem enxergar e expor padrões que nós humanos não conseguimos. Menos ainda em tempo real, que é o que as máquinas “inteligentes” fazem.

Esses padrões revelam perfis, hábitos recorrentes, comportamentos de consumo, uso, compra, etc.

A loja de departamentos Target contratou um especialista em machine learning para desenvolver para ela um conjunto de regras para consumidores que acabaram de ter um bebê. Esse conjunto de regras orientou a loja a promover, oferecer e estimular a compra de produtos para bebês online.

A máquina identificou uma série de comportamentos padrão entre mulheres grávidas antes de darem à luz a bebês. Esse conjunto de regras gerou insights para o marketing da companhia e suas equipes puderam disparar campanhas no centro do alvo, da forma certa, com os apelos certos, nos momentos corretos.

Sem o aprendizado de máquina isso dificilmente seria possível.

Para entender em detalhes como fazer uma ação usando Machine Learning vale dar uma olhada neste artigo, um pouco técnico, mas bem legal, da eConsultancy.

(*) Pyr Marcondes é Diretor Geral da M&M Consulting e Publisher responsável pelo Innovation Insider

Previous articleVisa e Mashable lançam loja online integrada com native ads
Next articleStorytelling e vendas: o casamento de duas artes
Pyr Marcondes é jornalista, consultor e autor. Foi repórter da revista IstoÉ, Jornal da Tarde e Playboy. Foi diretor editorial para o Grupo Meio & Mensagem desde a década de 90. Foi Sócio e Diretor de Criação na agência de publicidade Grottera & Cia. (TBWA) durante 10 anos. Foi Country Manager do portal StarMedia no Brasil. Co-fundador e CEO da Digital Strategy, consultoria pioneira em marketing e comunicação digital no País. Co-Fundador e Diretor de Marketing da FUN Generation, empresa de mobile marketing. Co-Fundador e Diretor da Superbrands Brasil (2005/2009). Consultor adjunto da BrandFinance, consultoria de marcas inglesa (2004/2005). Foi Diretor-Geral da Plataforma Proxxima, de marketing e comunicação digital do Grupo M&M. É hoje Diretor Geral da M&M Consulting, empresa de consultoria e negócios para a indústria do marketing digital. Pyr Marcondes é autor de inúmeros livros sobre história da propaganda e sobre marcas. É hoje referência na indústria digital brasileira. É palestrante, membro de conselhos e consultor.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here