Assalto das ad techs encuralado: midia online agora trackeada ao limite

    214
    0

    Há sete meses, Marc Pritchard, Globval Brand Manager da Procter & Gamble, indiscutivelmente o mais influente e maior anuncainte do mundo, declarou que “os dias de passe livre do digital acabaram. É hora dos anunciantes crescerem. É hora de ação”, durante uma palestra na cúpula anual de liderança do Interactive Advertising Bureau, na Flórida.

    Hoje, parece que o chamado de Pritchard às armas começa a fluir.

    The Trade Desk, uma das mais destacadas tgrading desks do mundo, que fornece software para que as agências possam comprar mídia digital online e em tempo real, e cuja lista de clientes inclui a própria P & G, anunciou semana passada que fechou um acordo de “mudança de jogo” com a empresa de segurança cibernética White Ops que, em teoria, deve efetivamente impedir os maus intermediários da cadeia digital de roubar os dólares dos anunciantes por impressões que nunca são vistas por seres humanos, apenas por robôs.

    “O que estamos fazendo”, disse Jeff Green, CEO da The Trade Desk, ao Ad Age, “é que stamos impedindo que impressões falsas sejam compradas antes de elas serem compradas, porque estamos examinando tudo com antecedência”.

    A maioria dos anuncaintes não sabe que as plataformas do lado da demanda DSPs) verificam lotes aleatórios de impressões fraudulenteamente exibidas aepnas após o fato, pois verificar cada impressão de forma antecedente é muito caro. Eles sabem hoje, depois de muito tempo vítimas de desvio de suas verbas, que quando se descobre que houve mau uso de sua verba, eles conseguem ter um reembolso, mas apenas de parte do seu gasto publicitário, isso após o dano já ter sido feito.

    O acordo da The Trade Desk com a White Ops sinaliza uma grande mudança na medida em que a White Ops digitalizará todas as impressões, em tempo real, antes que os anunciantes tenham chance de licitar, o que significa que os clientes não pagarão por impressões consideradas fraudulentas. Grande avanço contra esse crime cibernético.

    Previous articleWatson agora é curador de conteúdo, imagine!
    Next articleA web é visual. E seu marketing, é?
    Pyr Marcondes é jornalista, consultor e autor. Foi repórter da revista IstoÉ, Jornal da Tarde e Playboy. Foi diretor editorial para o Grupo Meio & Mensagem desde a década de 90. Foi Sócio e Diretor de Criação na agência de publicidade Grottera & Cia. (TBWA) durante 10 anos. Foi Country Manager do portal StarMedia no Brasil. Co-fundador e CEO da Digital Strategy, consultoria pioneira em marketing e comunicação digital no País. Co-Fundador e Diretor de Marketing da FUN Generation, empresa de mobile marketing. Co-Fundador e Diretor da Superbrands Brasil (2005/2009). Consultor adjunto da BrandFinance, consultoria de marcas inglesa (2004/2005). Foi Diretor-Geral da Plataforma Proxxima, de marketing e comunicação digital do Grupo M&M. É hoje Diretor Geral da M&M Consulting, empresa de consultoria e negócios para a indústria do marketing digital. Pyr Marcondes é autor de inúmeros livros sobre história da propaganda e sobre marcas. É hoje referência na indústria digital brasileira. É palestrante, membro de conselhos e consultor.

    LEAVE A REPLY

    Please enter your comment!
    Please enter your name here